POL√ćTICA tarifas

BOLSO: STF CONFIRMA INCLUSÃO DE ENCARGOS SETORIAIS DE ENERGIA NO CÁLCULO DO ICMS

Por José Higídio

07/03/2023 às 08:17:07 - Atualizado h√°
Reprodução

No contexto de um federalismo fiscal, a União não pode intervir na maneira como os estados exercem sua compet√™ncia tribut√°ria, ainda que por meio de lei complementar, pois isso ultrapassa seu poder constitucional.

Com esse entendimento, o Plen√°rio do Supremo Tribunal Federal confirmou uma liminar do ministro Luiz Fux que incluiu a tarifa de uso do sistema de transmissão de energia elétrica (Tust) e a tarifa de uso do sistema de distribuição de energia elétrica (Tusd) na base de c√°lculo do ICMS. O julgamento virtual se encerrou na √ļltima sexta-feira (3/3).


A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi ajuizada por governadores de dez estados e do Distrito Federal contra o artigo 2¬ļ da Lei Complementar 194/2022, que modificou a Lei Kandir e excluiu as tarifas da base de c√°lculo do ICMS.

Eles argumentaram que a base de c√°lculo do ICMS na tributação da energia elétrica abrange o valor de toda as operações, e não só do consumo efetivo. Assim, a Tust e a Tusd, chamadas de encargos setoriais, estariam inclu√≠das. Além disso, alegaram violação do pacto federativo, devido à restrição da autonomia dos estados.

Ao suspender o dispositivo contestado, no √ļltimo m√™s de fevereiro, Fux considerou que a lei complementar foi além do seu poder para tratar de questões relativas ao ICMS. Em seu novo voto, ele reiterou seus argumentos.


A Constituição fala em pagamento do imposto sobre "operações" relativas à circulação de mercadorias na energia elétrica. Para o relator, o termo "operações" remete não apenas ao consumo efetivo, mas a "toda a infraestrutura utilizada para que esse consumo venha a se realizar, isto é, o sistema de transmissão da energia".

O ministro ainda levou em conta os preju√≠zos bilion√°rios aos cofres estaduais, que poderiam deixar de arrecadar cerca de R$ 16 bilhões a cada seis meses. Conforme os autores, tais perdas comprometem a prestação dos serviços b√°sicos à população.

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) j√° havia requisitado que os estados exclu√≠ssem a Tust e a Tusd da base do ICMS, para não lesar direitos do consumidor de energia elétrica.

Fux também destacou que a ratificação da liminar não causa preju√≠zos, pois a maioria dos estados nunca excluiu os encargos setoriais da base de c√°lculo do ICMS cobrado sobre a energia elétrica. Um levantamento feito a pedido da Associação Nacional dos Consumidores de Energia (Anace) mostrou que 19 estados ainda não haviam cumprido a lei complementar, devido a dificuldades em regulament√°-la.


O tributarista Igor Mauler Santiago, colunista da revista eletrônica Consultor Jur√≠dico, explica que esses estados poderão manter a cobrança do ICMS sobre a Tust e a Tusd. "Para os que tiverem exclu√≠do essa hipótese, ser√° preciso alterar a lei e respeitar a anterioridade, voltando a exigir apenas em 2024", indica.

Outros votos
Apenas dois ministros não acompanharam totalmente o entendimento de Fux. Gilmar Mendes votou por referendar a liminar, mas fez ressalvas à fundamentação do relator.

Ele concordou que a norma violou os procedimentos de elaboração previstos na Constituição. Porém, considerou que seria melhor discutir o conte√ļdo do artigo somente no julgamento de mérito da ADI, devido à complexidade do assunto.

J√° André Mendonça divergiu do restante dos colegas, mas chegou à mesma conclusão de que seria necess√°rio suspender os efeitos do dispositivo questionado.


O magistrado lembrou que o STF j√° negou repercussão geral em um caso sobre a inclusão da Tust e da Tusd na base de c√°lculo do ICMS, por entender que o tema não ultrapassava o n√≠vel infraconstitucional. Assim, para aceitar os fundamentos de Fux, a corte teria de revisar o tema.

Na visão de Mendonça, "ou a matéria referente à base de c√°lculo do ICMS incidente sobre a energia elétrica é eminentemente constitucional, descabendo atuação minimamente inovadora por parte dos entes federados"; ou, então, os estados e o DF t√™m liberdade para definir, em suas legislações tribut√°rias, se a Tusd e a Tust compõem o ICMS. De qualquer forma, para ele, o Congresso pode decidir quais elementos integram ou não a base de c√°lculo.

Mesmo assim, o ministro lembrou que, em dezembro do √ļltimo ano, o Plen√°rio homologou um acordo entre União e estados sobre o ICMS de combust√≠veis. Na ocasião, ficou combinado que a questão das tarifas de energia seria debatida por um grupo de trabalho.

Assim, Mendonça entendeu convenitente suspender a regra da lei complementar, no intuito de "garantir m√≠nimas condições de possibilidade para que prospere a alternativa autocompositiva ao intrincado conflito federativo e fiscal em tela". Desta forma, votou por manter a liminar até o fim do grupo de trabalho.

A mesma questão discutida na ADI est√° pendente de julgamento de recursos repetitivos no Superior Tribunal de Justiça (Tema 986).

Clique aqui para ler o voto de Fux
Clique aqui para ler o voto de Gilmar
Clique aqui para ler o voto de Mendonça
ADI 7.195

Fonte: ConJur
Comunicar erro
Portal do Carlos Baía

© 2023 Portal do Carlos Baía
(91)986005813

•   Política de Cookies •   Política de Privacidade    •   Contato   •

Portal do Carlos Baía